Asma na Criança – Descubra os cuidados a ter!

 

Quando se fala em asma o assunto é sério: é uma doença crónica inflamatória com uma prevalência elevada: afeta cerca de um milhão de portugueses e mais de 300 milhoes de pessoas a nível mundial! A maioria das vezes começa na infância.

 

Asma – o que é?

A asma é uma doença inflamatória pulmonar em que certos estímulos provocam inflamação das vias respiratórias originando o seu estreitamento e dificuldade em respirar. Nos bebés e crianças pequenas nem sempre é fácil o diagnóstico, esteja atento se as dificuldades respiratórias são recorrentes e aconselhe-se com o pediatra!

 

Quais os sinais/sintomas associados?

Tosse, pieira, falta de ar, cansaço, sensação de “aperto no peito”. Os sintomas podem agravar-se com o exercício físico e no período noturno.

Os sintomas(e as crises) repetem-se com intervalos mais ou menos longos e são desencadeados por agentes diversos como poluentes, pólens, pó da casa e ácaros, infeções, stress, etc, etc..

 

Quais as causas?

Existem fatores individuais e fatores ambientais que interagem e explicam a ocorrência da asma, p.ex:

Fatores individuais:

– Influência genética: se o pai ou a mãe são asmáticos, a criança tem 25% de probabilidade de o ser também. Se forem os dois então a percentagem passa para 50%!

Obesidade: o excesso de peso parece ter influência e por isso uma dieta equilibrada e muita actividade física são benéficas – estimule as brincadeiras que favorecem o exercício!

Stress: a ansiedade pode agravar as crises de asma e até desencadeá-las.

Fatores ambientais:

Poluição: o desenvolvimento das sociedades trouxe uma série de alterações no ambiente que nos rodeia e o ar atmosférico é cada vez mais poluído, sobretudo nas grandes cidades. Monóxido de carbono e hidrocarbonetos são exemplos de tóxicos que agridem a mucosa respiratória, agravando os sintomas

Tabaco: repleto de substâncias irritantes e carcinogénicas, o fumo do tabaco é um fator a evitar pois agrava os sintomas e dificulta o controlo da asma. Mas quantas crianças continuam expostas diariamente a este mal? Muitas! Durante o desenvolvimento uterino e nos primeiros meses de vida o aparelho respiratório é ainda mais susceptível aos danos do tabaco e por isso resguardá-las dessa exposição é muito importante.

Alergénios: ácaros, pólens, animais de estimação e outros agentes que sensibilizam as vias aéreas provocando alterações respiratórias. Atenção: a maioria das crianças asmáticas tem alergias respiratórias!

Infeções respiratórias: infeções por microorganismos (bactérias, vírus, fungos) provocam frequentemente o aparecimento ou a complicação de crises em crianças asmáticas.

 

Que cuidados se devem ter?

Os pais de crianças asmáticas devem estar muito atentos:

– protegê-los sempre que possível de fatores desencadeantes (poluentes, alergénios, tabaco..);

– cuidar para que tenham um acompanhamento médico regular (avaliação periódica);

– zelar pela medicação adequada aconselhada pelo médico.

 

Tratamento?

O tratamento da asma deve ser individualizado. Geralmente são prescritos corticóides e broncodilatadores, a serem administrados por inalação oral – as chamadas “bombinhas da asma”.

Os corticóides são importantes na prevenção das crises:  a administração diária e regular combate a inflamação crónica e reduz o risco do aparecimento de uma crise. Os broncodilatadores estão indicados no alívio rápido dos sintomas quando há uma crise. Também pode ser  utilizado outro tipo de medicação: o tipo de fármacos e o esquema terapêutico será o que o médico aconselhar. Se possível tenha uma cópia na escola que os seu filho frequenta, nunca é demais prevenir!

A adesão à terapêutica é muito importante!! Sem tratamento adequado ou regular as crises de asma podem suceder-se e consequentemente a função pulmonar vai ressentir-se cada vez mais.

Muitos pais têm receio dos efeitos destes inaladores por serem administrados por longos períodos de tempo mas os efeitos adversos destes medicamentos são geralmente pouco frequentes e decorrem na maioria das vezes de uma incorreta manipulação/administração dos inaladores (ex. rouquidão, inflamações mucosa oral,..)

O mais importante é controlar a doença! A asma é que é o alvo a combater.

As “bombinhas de asma” são fáceis de utilizar??

Existem vários tipos. Cada um tem o seu procedimento específico, habitualmente explicado pelo médico.

As crianças fazem normalmente a inalação com a ajuda de um dispositivo – câmara expansora – que facilita a administração e que assegura sem esforço uma maior eficácia na chegada do medicamento ao pulmão.

 

Perguntas frequentes:

– As crianças asmáticas podem fazer desporto?

Frequentemente as crianças com asma depois de uma corrida ficam muito aflitas e surge a dúvida.. Mas vamos acabar com ela: podem e devem fazer desporto!

Realmente, grande parte poderá sentir essas dificuldades respiratórias mas também porque não é um hábito. É importante que a asma esteja controlada e  que o professor/treinador tenha conhecimento da doença. Muitas vezes poderá ser necessário fazer medicação mas tudo será avaliado e aconselhado pelo médico.

Sabia que muitos atletas de competição, nas mais diversas áreas de desporto, são asmáticos?!

 

–  A Asma passa com a idade?

Aqui está uma pergunta difícil..

Em alguns casos, com o crescimento, as crianças deixam de ter sintomas e surge a convicção de que passa com a idade.. Mas pode só ficar “adormecida”, ou seja não é completamente garantido que mais tarde, na idade adulta não haja um reaparecimento dos sintomas.. ou o desenvolvimento de outras doenças respiratórias.

– Os tratamentos para a asma são perigosos? Têm mesmo de se fazer mesmo sem haver crises?

Os medicamentos utilizados para controlar a asma não são perigosos. Os procedimentos devem ser bem conhecidos e treinado o uso dos inaladores para obter a máxima eficácia e menor risco de efeitos indesejáveis. A base do tratamento é a medicação regular, diária, e por isso não deve ser interrompida. Cumpra o esquema prescrito pelo médico alergologista.

O nosso conselho:

 

A asma é uma doença que pode afetar muito a qualidade de vida das crianças e condicionar o seu desenvolvimento. Se observar sintomas como os que referimos consulte o pediatra ou um alergologista. Se o diagnóstico se confirmar lembre-se que é importante seguir o plano terapêutico prescrito. E lembre-se: a asma pode ser controlada e o seu filho ter uma vida plena e feliz como qualquer outra criança!

 

AlergoStop

 

Links úteis:

 

Associação Portuguesa de Asmáticos – http://apa.org.pt

 

Produtos AlergoStop relacionados: